Darth Otavinho
5 abril 2011

O que eu gosto da Folha é que ela nunca desaponta. O caso da censura da Falha está em banho maria, tudo parece normal nos domínios da Barão de Limeira e aí vem mais um caso emblemático, escancarando as entranhas do autoproclamado Jornal do “Futuro” (sic). Aproveitando trechos da reportagem do Comunique-se:

O jornalista Alec Duarte, editor-assistente de política da Folha de S.Paulo, e a repórter Carol Rocha, do Agora SP, foram demitidos do Grupo Folha por postarem comentários no Twitter a respeito do jornal. Os dois comentavam a morte de José Alencar, ex-vice-presidente, que morreu no dia 29/3.

“Nunca um obituário esteve tão pronto. É só apertar o botão”, comentou o editor-assistente da Folha, sem citar nomes.

“Mas na Folha.com nada ainda… esqueceram de apertar o botão. rs”, respondeu a repórter do Agora.

Alec então lembrou do erro do jornal, que noticiou erroneamente a morte do senador Romeu Tuma, em outubro de 2010. “Ah sim, a melhor orientação ever. O último a dar qualquer morte. É o preço por um erro gravíssimo.”

————

Blog de Alec, que não tratou da demissão

Alec Duarte foi disreto. Não disse palavra sobre a demissão no seu blog ou no Twitter. Nem ao Comunique-se ou qualquer outro blog. Limitou-se a um post discreto sobre a questão dos obituários em seu site.

.

.

.

.

.

Carol meteu a boca no seu blog. A-do-ro

Já a jornalista Carolina Rocha é das nossas. Escancarou o caso todo no seu blog, falou abertamente de toda a polêmica, inclusive do lado pessoal/familiar, abriu a troca de emails com a ombudsman, publicou na íntegra o material da coluna de Susana Singer etc. Vale a leitura, confira aqui.

.

.

Leandro, e outros que já se foram, desculpe pela baixaria (mesmo)

Cá entre nós: essa história de deixar obituário pronto é mais velha do que andar pra frente. E que jornalista é urubu então… Quando eu era editor em um jornal popular, há mais de 10 anos, diariamente ligávamos pros médicos do então cantor sertanejo Leandro para saber da evolução do seu câncer. Teve até chamada de capa informando que o tumor já estava “do tamanho de uma laranja”. Não me orgulho disso, mas é assim que é, em maior ou menor grau,  em qualquer redação do mundo. Não dá pra ser hipócrita. É aquele velha história, jornal é como salsicha: todo mundo acha gostoso, mas se as pessoas soubessem como é feito, ninguém mais comia (nem lia).

Compreendo que empresas não gostem de ver funcionários falando mal delas no twitter, FB etc. Agora uma coisa é uma coisa, e outra coisa é outra coisa. Esse assunto pooderia ter sido resolvido internamente, e sem demissões. A Folha expôs os dois jornalistas  na edição de domingo por conta de um comentário inocente no twitter e, no dia seguinte, em vez de, por exemplo, dar um puxão de orelha, mandou os dois direto pra rua. Coisas do Jornal do “Futuro”.

Capa > Jornal da Imprensa > Primeiro Caderno
Imprima esta notícia Envie esta notícia por email Voltar

Editor da Folha e repórter do Agora são demitidos por comentários no Twitter

Izabela Vasconcelos

O jornalista Alec Duarte, editor-assistente de política da Folha de S.Paulo, e a repórter Carol Rocha, do Agora SP, foram demitidos do Grupo Folha por postarem comentários no Twitter a respeito do jornal. Os dois comentavam a morte de José Alencar, ex-vice-presidente da República, que morreu no dia 29/3.

“Nunca um obituário esteve tão pronto. É só apertar o botão”, comentou o editor-assistente da Folha, sem citar nomes.

“Mas na Folha.com nada ainda… esqueceram de apertar o botão. rs”, respondeu a repórter do Agora.

Alec então lembrou do erro do jornal, que noticiou erroneamente a morte do senador Romeu Tuma, em outubro de 2010. “Ah sim, a melhor orientação ever. O último a dar qualquer morte. É o preço por um erro gravíssimo.”

5 Comentários

  1. MGsemcensura
    21/04/2011

    O “caso Leblon” não é só o caso Leblon. Ainda que só ele seja muito grave. Mas pode ser a ponta do fio da meada que levará, ou melhor, já está levando a fortes indícios de ocultação de patrimônio. O “caso Leblon”, só pela nota diversionista da assessoria do senador (diluindo o horário da ocorrência, despistando a recusa ao teste, etc) mostra que tem “muito tucano” nessa floresta.

    Prezados e prezadas, o bloco parlamentar de deputados estaduais do PT, PMDB, PCdoB e PRB em Minas Gerais (Minas Sem Censura – MSC) tem o prazer de informar que começa a quebrar o monopólio da informação nas Gerais. E não é fácil. A pressão econômica do governo mineiro, que “compra a adesão de veículos de comunicação” (dep. Sávio Souza Cruz) ainda é muito forte. Mas a internet, a blogosfera e as redes sociais estão furando o bloqueio.
    Estamos derrotando, ainda que lentamente, a “OTAN” tucana nas Alterosas.
    Evidentemente, eles estão reagindo e tem muita força. Aguardamos o apoio da blogosfera livre no Brasil.
    http://www.minassemcensura.com.br
    [email protected],com
    @MGsemcensura
    21 de abril, dia da Inconfidência Mineira (que aliás está sequestrada, em sua simbologia, pela farsa tucana)

  2. alex
    19/04/2011
  3. 09/04/2011

    Isso que é um jornal de fibra. Por isso que eu adoro a Fôia. Por exemplo, a Fôia é a Fôia sempre, mas a Falha já mudou de nome, de site, isso é errado. Viva a Fôia de Sumpaulu!

  4. 09/04/2011

    Uma dúvida: a conta do twitter deles era pessoal? Se for, creio que a demissão deles esteja errada mesmo, mas se houver algum tipo de compromisso com o Grupo Folha até em suas declarações públicas, aí eles é que pisaram na bola… Talvez a demissão não fosse a melhor saída, mas cada um resolve os problemas da forma que achar melhor.

Deixe seu comentário

"Tratar o humor como ilícito, no fim das contas, é a mesma coisa que censura"

Tais Gasparian, advogada da Folha que assina o processo de censura à Falha, sobre a ação que a atriz Juliana Paes moveu contra José Simão em 2009. Dois pesos, duas medidas...

Licença Creative Commons